Se você estiver por São Paulo nesta semana, separe um tempo para pegar alguma das duas sessões do incrível The Lobster, dentro da programação da Mostra Panorama do Cinema Britânico, uma das atrações do Cultura Inglesa Festival.

O filme será exibido na quinta (2/6) às 21h30 e no sábado (4/6) às 19h, ambas as vezes no Caixa Belas Artes, que abriga o segmento cinéfilo do evento.

The Lobster foi exibido no Festival de Cannes em 2015, de onde saiu com o prêmio de melhor roteiro, e também no Festival do Rio. A passagem por telas cariocas foi o suficiente para colocá-lo na nossa lista dos dez melhores filmes do ano passado.

A comédia dirigida e escrita pelo grego Yorgos Lanthimos é mais uma prova de que ele é um dos cineastas mais estranhamente genais em atividade – vale a pena ir atrás de seus trabalhos anteriores, como Dente Canino e Alpes.

Sua primeira experiência à frente de uma produção em língua inglesa faz uma sátira às convenções sociais, mais especificamente à cobrança para encontrar e manter um relacionamento amoroso estável, como se a vida dependesse exclusivamente disto.

No filme a metáfora é levada ao literal. Estamos em um futuro distópico onde é proibido ser solteiro. Quem ainda não encontrou um par depois de adulto é mandado para um hotel, e lá tem 45 dias para encontrar sua cara-metade. Caso isso não aconteça, será transformado em um animal à sua escolha e passará a viver na floresta.

David (Colin Farrell, no grande papel de sua carreira até aqui) chega ao local, responde aos questionários, diz que caso o pior aconteça gostaria de ser transformado em uma lagosta. Aos poucos, vamos conhecendo junto com ele a rotina bizarra de lá, que inclui demonstrações prosaicas das vantagens de ser um casal, atividades físicas que simulam sexo e violentas caçadas.

Neste ambiente, todos os personagens repetem de forma robótica suas falas, como seres programados, ajudando a construir o clima desconfortável que Lanthimos tanto aprecia.

O tempo passa, e encontrar uma namorada parece cada vez mais difícil. Até que um grupo de rebeldes começa a intervir. Estes resistentes radicais, por outro lado, pregam por uma vida solitária e condenam qualquer aproximação romântica. São dois mundos opostos, e David se sente deslocado em ambos.

Conduzindo a trama em tons que ganham contornos cada vez mais absurdos, até a angustiante cena final, que coloca em xeque o quanto estamos dispostos a abrir mão em nome da felicidade ao lado de outra pessoa. The Lobster é daqueles filmes abertos a milhares de interpretações, para se discutir noite adentro, e tem ainda o bônus de ser muito divertido.

Outros destaques do cinema no Cultura Inglesa Festival:

Slow West

Outro filme que subverte qualquer expectativa romântica, à sua maneira, este faroeste protagonizado por Michael Fassbender e Kodi Smith-McPhee mostra a busca de um jovem pela garota que ama, enfrentando todos os perigos que cruzam seu caminho.
Sessão: Sexta, 3/6, 19h no Caixa Belas Artes

Monty Phyton – The Meaning of Live

O documentário de James Rogan e Roger Greaef acompanha os ensaios para os shows que marcaram o retorno do lendário grupo inglês aos palcos, assim como mostra reflexões dos integrantes sobre o histórico da trupe.
Sessão: Domingo, 5/6, 19h no Caixa Belas Artes

Blow Up – Depois Daquele Beijo

Além dos contemporâneos, o Festival tem a Retrospectiva British Film Invasion, com alguns clássicos absolutos do cinema, como a obra-prima de Michelangelo Antonioni, seu primeiro em língua inglesa, baseado em conto do argentino Julio Cortázar.
Sessão: Domingo, 5/6, 21h15 no Caixa Belas Artes

Absolute Begginers

Desprezado por boa parte da crítica quando foi lançado, em 1986, o filme foi ganhando status de cult ao longo dos anos, e agora que David Bowie se foi isso só deve aumentar. A inclusão do filme na programação é uma boa sacada, e rara chance de ver o longa em tela grande.
Sessão: Terça, 7/6, 19h no Caixa Belas Artes

Laranja Mecânica

Um dos maiores diretores já nascidos na Inglaterra não poderia ficar de fora. O Festival abre espaço também para Stanley Kubrick, com seu perturbador e genial retrato dos limites da violência e da intolerância.
Sessão: Sexta, 3/6, às 21h05 no Caixa Belas Artes

Veja a programação completa no site do Cultura Inglesa Festival.

Comentários

comentários