CinemaOscar 2017

Oscar de Direção precisa superar a fase ‘festa do homem branco’

Historicamente, a categoria de melhor diretor é a festa do homem branco. Nas 88 edições até aqui, apenas uma mulher ficou com a estatueta. Foi Kathryn Bigelow, por Guerra ao Terror, em 2009. Para cineastas negros, a situação é ainda pior: nunca nenhum levou o prêmio.

Este ano Berry Jenkins, de Moonlight, apenas o quarto diretor negro a sequer conseguir uma indicação na categoria, tem a chance de quebrar este tabu. Mas, para isso, precisará vencer o amor da Academia por Damien Chazelle e seu La La Land, além de Denis Villeneuve (A Chegada), Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar) e Mel Gibson (Até o Último Homem).

Já os mexicanos, malquistos de Donald Trump, têm tido motivos para comemorar. São deles os últimos três prêmios, com Alfonso Cuarón levando por Gravidade e Alejando G. Iñarritu fazendo a dobradinha com Birdman e O Regresso.

Durante a história, até mestres indiscutíveis do cinema, como Alfred Hitchock, Stanley Kubrick, Sergio Leone, Charlie Chaplin e Ridley Scott nunca levaram o Oscar de melhor diretor.

Na imagem abaixo, sugerimos algumas mulheres e homens, brancos e negros, com obras de impacto suficiente para deixar sua marca e merecer acenos mais generosos da Academia.

Comentários

comentários