Ao longo de seus 23 anos de existência, o Anima Mundi, maior festival de animação do Brasil, tem quebrado diversos velhos conceitos e apresentado outros tantos novos ao público interessado no que de melhor o mundo produz quando o assunto é a arte de fazer rir, pensar e até filosofar usando as mais variadas técnicas de se animar uma história. Um dos conceitos que já estão mais do que ultrapassados é que filme animado é programa infantil.

A programação do festival, que este ano traz ao País mais de 450 filmes, 40 países, entre eles várias pré-estreias, tem filmes para todos, em sessões e eventos na Cinemateca Brasileira e no Caixa Belas Artes até dia 22 .

Do super aguardado ‘O Pequeno Príncipe’, dirigido por Mark Osborne (de ‘Kung Fu Panda‘), o típico ‘filme para toda a família’ no melhor dos sentidos, pois é uma pequena joia o longa que foi sucesso em Cannes este ano, ao underground ‘Pos Eso‘, uma sátira a filmes de terror e uma homenagem muito bem animada a O Exorcista, o Anima Mundi prova mais uma vez que merece o prestígio alcançado há quatro anos, quando se tornou um dos festivais autorizados a qualificar um filme para o Oscar de Curta de Animação.

Para melhorar ainda mais, este ano o Anima Forum, a rodada de debates sobre o mercado brasileiro e internacional da área, chega a seus dez anos e aporta em São Paulo. Os papos, masterclasses e encontros entre profissionais do setor já ocorreram no Rio na semana passada e nesta serão realizados no Caixa Belas Artes.

Outra boa nova é que finalmente os filmes animados para a publicidade ganham um prêmio específico, o Prêmio Publicidade Animada, que será escolhido por um júri formado por animadores e publicitários. Vale lembrar que vários mestres do gênero, muitos ‘oscarizados’, começaram fazendo filmes publicitários e até hoje mantém seus trabalhos com comerciais, em que podem inovar e testar novas linguagens. Os outros já tradicionais prêmios serão escolhidos por profissionais e pelos quatro criadores e curadores do Anima Mundi, Aída Queiroz, Cesar Coelho, Lea Zagury e Marcos Magalhães.

Já o público, que tem de 17 a 22 de julho para conferir a extensa programação, é quem escolhe os melhores curtas e longas do Prêmio do júri popular.

Para quem quer encarar esta maratona animada, o TelaTela selecionou alguns destaques imperdíveis.

Nautilus – A Primeira Aventura de Colombo
Anima Mundi_nautilus
O Brasil este ano é o país com mais filmes em cartaz no festival, com 108 produções, entre longas e curtas, seguido pela França, com 42 e os Estados Unidos, com 30. Entre os longas, o único brasileiro da programação é ‘Nautilus – A Primeira Aventura de Colombo’, de Rodrigo Gava. O filme, que faz sua pré-estreia no festival conta a saga da primeira aventura do jovem Cris (Cristóvão Colombo) para salvar seu pai da falência, em 1464. Em uma ilha perdida e com um mapa do tesouro em mãos, ele precisa enfrentar piratas e o monstro marinho Nautilus. Para isso, tem a ajuda dos amigos Leo (Leonardo da Vinci) e Lisa (Mona Lisa). Gava explica que trata-se de uma animação 2D digital, mas que foi concebida para ser exibida em 3D. Destaque para a dublagem de José Wilker, um dos últimos trabalhos do ator falecido em 2014, no papel de um cavaleiro templário, e de Isabelle Drummond, como a Sereia Mab.

Song of the Sea

O belga ‘Song of the Sea’, de Tomm Moore, foi indicado ao Oscar de Melhor Longa-Metragem de Animação e conta a história da pequena Saoirse, que tem o poder de se transformar em uma foca, e depois retornar à condição humana. Um dia ela, uma das últimas de sua espécie, foge dos cuidados da avó e embarca em uma jornada subaquática para libertar criaturas em perigo. Inspirado em uma lenda irlandesa, o longa retrata esta pequena ‘selkie’ com delicadeza.

Pos Eso

Pos Eso, do espanhol Sam Orti, é um filme de terror, bem ao estilo ‘O Exorcista’ (clássico do gênero que ganha homenagem no longa de animação em várias cenas e referências). Inspirado em uma história real, conta a história de La Trini, uma bailarina famosa que perdeu o marido, Gregorio, um toureiro, em um acidente; e de Damien, o filho da protagonista, que desenvolveu um distúrbio psicológico inexplicável. Para resolver, só mesmo apelando para a intervenção divina.

Rocks In My Pockets

Um dos mais interessantes filmes da seleção deste ano, o longa americano integra a mostra Galeria Animada, para filmes de linguagem experimental, e é um mergulho no universo da diretora e animadora Signe Baumane. Veterana da animação, ela nasceu na Letônia, mas vive atualmente em Nova York e faz uso de sua própria história para literalmente animar os caminhos da mente de quem sofre de depressão. “Fiz este filme porque acho a fragilidade de nossas mentes fascinante. A vida é estranha, imprevisível e eu vejo o humor nisso tudo. Sim, eu quase me quebrei, mas voltei para contar minha história. Espero que vocês riam comigo”, comenta a diretora, que fez campanha em um site de crowdfunding para arrecadar verba para realizar seu longa. Para Signe, que usa técnicas de papel marchê, stop motion, computação gráfica e desenho à mão, Rocks in My Pockets não é um filme triste, mas sim uma visão bem humorada da condição que atinge a tantas pessoas e da qual se fala, e se imagina, muito pouco.

O Pequeno Príncipe

Fazendo sua pré-estreia latino-americana no Anima Mundi, a produção francesa, que agradou até os mais céticos críticos no último Festival de Cannes, é uma versão carinhosa e contemporânea do clássico de Antoine de Saint-Exupéry. Dirigido por Mark Osborne (de Kung Fu Panda), que vem ao festival para conversar com o público sobre seu trabalho, o longa tem, no original, as vozes de Jeff Bridges, James Franco, Marion Cotillard e Benicio Del Toro. Na versão brasileira, tem dublagem de Larissa Manoela e Marcos Caruso.

Shaun, the Sheep

A saga da ovelhinha negra mais pop da TV mundial agora ganha um longa divertidíssimo. Dirigido pelo mesmo time de ‘Fuga das Galinhas‘ e ‘Wallace & Gromit‘, que conta com o inglês Will Becher, presente no festival para falar do longa e de seu trabalho primoroso com stop motion (“gravo em geral três segundos por dia de filme”, esclarece sempre quando perguntado o quão trabalhoso é ‘animar massinha de modelar’), Shaun, the Sheep acompanha a saga de Shaun e sua família de ovelhas na cidade grande. Pedida certa para adultos e crianças.

A programação completa do festival pode ser conferida no site oficial http://www.animamundi.com.br/.

Comentários

comentários