A cerimônia do Oscar nem começou, mas já está sendo considerada a mais politizada das últimas décadas – talvez de todos os tempos.

Uma das categorias em que este caráter é mais visível é na de melhor filme estrangeiro, curiosamente polêmica também na ocasião da escolha do representante brasileiro a tentar uma vaga. A equipe de Aquarius, o representante natural, se manifestou contra o governo de Michel Temer no Festival de Cannes e, coincidência ou não, meses depois o filme acabou preterido para dar lugar a Pequeno Segredo.

A lista dos cinco candidatos finais ao Oscar da categoria saiu dia 24 de janeiro e, no final de semana seguinte, Donald Trump decretou que cidadãos de sete países de maioria muçulmana estavam impedidos de entrar nos Estados Unidos. Entre eles o Irã, do concorrente O Apartamento, dirigido por Asghar Farhadi.

O cineasta, que já tem um Oscar por A Separação, declarou então que não iria à cerimônia, mesmo se conseguisse um visto especial. A partir de então, cresceu a possibilidade de que membros da Academia votassem em O Apartamento para ganhar o prêmio de melhor filme estrangeiro, como um protesto contra as ações do atual presidente norte-americano.

Mesmo que o longa de Farhadi não seja o vencedor, o recado será dado. Ele e todos os outros quatro cineastas indicados na categoria assinaram uma carta aberta para “expressar nossa reprovação empática e unânime do clima de fanatismo e nacionalismo que vemos hoje nos Estados Unidos e em muitos outros países, partes da população e, ainda mais lamentável, entre líderes políticos.”

“Não importa quem ganhe o Oscar de melhor filme estrangeiro neste domingo, nos recusamos a pensar em termos de fronteiras. Acreditamos que não há melhor país, melhor gênero, melhor religião ou melhor cor. Nós queremos que este prêmio seja símbolo da união entre os países e da liberdade das artes”, diz o texto, assinado por Martin Zandvliet (Terra de Minas, Dinamarca), Hannes Holm (Um Homem Chamado Ove, Suécia), Asghar Farhadi (O Apartamento, Irã), Maren Ade (Toni Erdmann, Alemanha) e a dupla Martin Butler e Bentley Dean (Tanna, Austrália).

Leia a íntegra abaixo:

Em nome de todos os indicados, nós gostaríamos de expressar nossa reprovação empática e unânime do clima de fanatismo e nacionalismo que vemos hoje nos Estados Unidos e em muitos outros países, partes da população e, ainda mais lamentável, entre líderes políticos.

O medo que é gerado ao dividir-nos em gêneros, cores, religiões e sexualidades como meio de justificar a violência destrói as coisas das quais nós dependemos – não apenas como artistas, mas como humanos: a diversidade de culturas, a chance de ser culturalmente enriquecido por algo que parece “estrangeiro” e a crença que encontros humanos podem nos mudar para melhor. Estes muros divisórios impedem que as pessoas experimentem algo simples, mas fundamental: descobrir que nós todos não somos assim tão diferentes.

Sendo assim, nos perguntamos: O que o cinema pode fazer? Apesar de nós não querermos super-estimar o poder dos filmes, nós de fato acreditamos que nenhum outro meio pode oferecer um vislumbre tão profundo nas circunstâncias de outras pessoas e transformar sentimentos de não-familiaridade em curiosidade, empatia e compaixão – até por aqueles que nos dizem para considerar inimigos.

Não importa quem ganhe o Oscar de melhor filme estrangeiro neste domingo, nos recusamos a pensar em termos de fronteiras. Acreditamos que não há melhor país, melhor gênero, melhor religião ou melhor cor. Nós queremos que este prêmio seja símbolo da união entre os países e da liberdade das artes.

Direitos humanos não são algo para o qual você deve se registrar. Eles simplesmente existem – para todo mundo. Por esta razão, nós dedicamos este prêmio a todas as pessoas, artistas, jornalistas e ativistas que estão trabalhando para cultivar a unidade e a compreensão, e que sustentam a liberdade de expressão e a dignidade humana – valores cuja proteção é hoje mais importante do que nunca. Ao dedicar o Oscar a eles, nós desejamos expressar a eles nosso profundo respeito e solidariedade.

Comentários

comentários