O Lobo Atrás da Porta saiu da noite de entrega do 14º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, na terça-feira, com sete estatuetas: melhor longa de ficção, direção e roteiro original (ambos para Fernando Coimbra), fotografia (Lula Carvalho), atriz (Leandra Leal, como Silvia), atriz coadjuvante (Thalita Carauta como Betty), montagem (Karen Akerman).

Decisões acertadas em uma cerimônia que lotou o Cine Odeon – Centro Cultural Luiz Severiano Ribeiro e contou com presença dos indicados e membros da Academia Brasileira de Cinema e com homenagem ao cineasta Roberto Farias, presidente da Academia. Na ocasião também foi lembrado o centenário do ator Grande Otelo, que dá nome ao troféu, que este ano ganhou novo desenho de Ziraldo.

Em um ano em que os concorrentes a melhor longa de ficção corriam lado a lado em questão de qualidade, o projeto de Fernando Coimbra conseguiu a rara combinação de ser um conjunto coeso, em que cada ‘área’ do filme contribuía para o sucesso da outra.

Roteiro bem burilado por anos, produção “com orçamento pequeno, mas com uma paixão enorme”, como ressaltou o diretor, elenco afinado e rodado em 16mm, com fotografia e decupagem muito bem desenhados por Coimbra e Carvalho, é um filme contundente e coeso.

“É um projeto lindo. Agradeço ao Fernando por ter me dado este papel e confiado em mim, à Fabíula Nascimento e ao Milhem (Cortaz). Graças a Deus eu faço o que amo”, agradeceu Leandra Leal ao levar seu prêmio de melhor atriz, lembrando que foi justamente a química perfeita entre os atores, muito bem dirigidos por Coimbra que faz com que o longa seja tão real quanto assustador.

O produtor Fabiano Gullane lembrou que O Lobo já viajou por diversos países e festivais, nos quais recebeu diversos prêmios, em gesto que destaca a capacidade rara do filme de se comunicar tanto com o grande público quanto com os espectadores mais cinéfilos e com a crítica especializada.

Gullane, que também subiu ao palco para receber, ao lado de Walter Caravalho e Antônio Nóbrega, o prêmio de melhor documentário do ano por Brincante, comemora atualmente o sucesso de Que Horas Ela Volta?, de Anna Muylaert, já apontado como um dos melhores filmes do ano e forte candidato a várias estatuetas em 2016. “Mas este Gullane coleciona prêmios!”, brincou Roberto Faria ao anunciar o de melhor ficção para. O diretor havia acabado de fazer seu discurso de agradecimento por ser o homenageado da noite.

Fernando Coimbra, diretor de 'O Lobo Atrás da Porta', agradece seu prêmio
Fernando Coimbra, diretor de ‘O Lobo Atrás da Porta’, agradece seu prêmio

Buscando criar uma apresentação mais descontraída do que as tradicionais festas de premiação, o diretor Ivamn Sugahara criou uma cerimônia em que Marcelo Faria interpretava o próprio tio, que se dividia entre a direção no palco das cenas de clássicos como Roberto Carlos em Ritmo de Aventura, Assalto ao Trem Pagador, Pra Frente Brasil, ao lado dos atores Miguel Thiré, Saulo Rodrigues e Cristina Lago.

Em um set montado no palco, eles interagiam com os filmes projetados na tela e também anunciavam cada categoria e candidatos aos prêmios. Ainda que longa, a iniciativa valeu pela intenção de dinamizar a noite.

De volta aos prêmios, os demais longas de ficção de 2014 dividiram bastante os demais prêmios. Trinta, que retrata com competência a trajetória de Joãosinho Trinta, levou os títulos de melhor figurino para Kika Lopes e melhor trilha sonora original para André Abujamra.

O drama Getúlio, de João Jardim, rendeu a Tiago Marques a melhor direção de arte e a Martín Macias Trujillo, a melhor maquiagem. O papel do ex-presidente rendeu a Tony Ramos um dos prêmios de melhor ator do ano, que foi dividido com Babu Santana, por sua marcante interpretação de Tim Maia, na segunda fase do longa.

“Estou muito feliz. E comemoro também mais de 50 anos de trabalho nesta profissão. A gente não compete, a gente concorre”, declarou Tony Ramos ao subir ao palco ao lado de Babu. “Estou muito emocionado. Quando comecei minha carreira, a estudar teatro, há mais de 20 anos, nunca imaginaria que iria dividir o palco com Tony. Obrigado!”, afirmou Babu.

Babu Santana e Tony Ramos, que dividiram o prêmio de melhor ator
Babu Santana e Tony Ramos, que dividiram o prêmio de melhor ator

Já o público escolheu como melhor longa de ficção do ano Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro. “Este prêmio me deixa muito feliz. Quando decidi filmar esta história, era para fazer um filme para o meu eu de 16 anos, para dizer para aquele garoto que tudo ia dar certo”, agradeceu o jovem diretor, ao lado da produtora Diana Almeida, que pelo longa foram escolhidos os representantes do Brasil a uma vaga no Oscar de Melhor Filme estrangeiro 2015.

Entre os documentários, o júri escolheu o já citado Brincante, de Walter Carvalho, e o público preferiu o poético Dominguinhos, de Eduardo Nazarian, Joaquim Castro e Mariana Aydar, com produção da BigBonai. “Este prêmio não é só para o Dominguinhos, mas é dele. Fico muito feliz que o público tenha escolhido este grande músico “, comentou Nazarian.

A novidade este ano ficou por conta dos prêmios especiais para categorias que, como lembrou Mônica Martelli, protagonista de Os Homens São de Marte… E é pra lá que Eu Vou, costumam ser preteridos quando o assunto é premiar os melhores da safra do ano.

“Quando eu comecei com esta ideia, o Chico Anysio me disse: ‘Você sabe que não vai ganhar nenhum prêmio, né? Ninguém dá prêmio para comédia.’ Por isso, estar aqui hoje me deixa muito feliz. Só de estar competindo é muito bom, mas é bom ganhar também”, contou a atriz, ao receber, ao lado da produtora Bianca Villar e Fernando Fraiha, da Biônica Filmes, o troféu de melhor longa de comédia do ano.

Outras duas categorias interessantes foram as de melhor longa de animação e melhor longa infantil.

Entre diversos concorrentes que dificilmente ganhariam a atenção merecida se concorrem ao lado dos dramas como O Lobo ou GetúlioO Menino e o Mundo, longa de Alê Abreu que já levou o prêmio máximo no Festival de Annecy (o mais importante da animação mundial), foi eleito como o melhor longa infantil e a melhor animação do ano. “Estamos muito felizes com este prêmio, pois este filme já rodou o mundo e é muito bom vê-lo reconhecido em seu País. Viva a animação brasileira!”, ponturam as produtoras-executivas do filme, Fernanda Carvalho e Tita Tessler.

Confira abaixo a lista completa dos premiados:

MELHOR LONGA-METRAGEM DE FICÇÃO
O LOBO ATRAS DA PORTA de Fernando Coimbra. Produção: Caio Gullane, Fabiano Gullane, Debora Ivanov e Gabriel Lacerda por Gullane e Rodrigo Castellar e Pablo Torrecillas por TC Filmes

MELHOR LONGA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO
BRINCANTE de Walter Carvalho. Produção: Caio Gullane, Fabiano Gullane e Debora Ivanov por Gullane

MELHOR DIREÇÃO
FERNANDO COIMBRA por O lobo atrás da porta

MELHOR ATRIZ
LEANDRA LEAL COMO ROSA por O lobo atrás da porta

MELHOR ATOR
BABU SANTANA COMO TIM MAIA por Tim Maia
TONY RAMOS COMO GETÚLIO VARGAS por Getúlio

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
THALITA CARAUTA COMO BETTY por O lobo atrás da porta

MELHOR ATOR COADJUVANTE
JESUÍTA BARBOSA COMO AYRTON por Praia do futuro

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA
LULA CARVALHO por O lobo atrás da porta

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
TIAGO MARQUES por Getúlio

MELHOR FIGURINO
KIKA LOPES por Trinta

MELHOR MAQUIAGEM
MARTÍN MACIAS TRUJILLO por Getúlio

MELHOR EFEITO VISUAL
ADAM ROWLAND por Trash – a esperança vem do lixo

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
FERNANDO COIMBRA por O lobo atrás da porta

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
JORGE FURTADO E PEDRO FURTADO – adaptado da obra “ Frontal com Fanta” de Jorge Furtado por Boa sorte

MELHOR MONTAGEM FICÇÃO
KAREN AKERMAN por O lobo atrás da porta

MELHOR MONTAGEM DOCUMENTÁRIO
PEDRO BRONZ por A Farra do Circo

MELHOR SOM
GEORGE SALDANHA, FRANÇOIS WOLF E ARMANDO TORRES JR. por Tim Maia

MELHOR TRILHA SONORA
BERNA CEPPAS E MAURO LIMA por Tim Maia

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
ANDRÉ ABUJAMRA por Trinta

MELHOR LONGA-METRAGEM COMÉDIA
OS HOMENS SÃO DE MARTE… É PRA LÁ QUE EU VOU Marcus Baldini Produção: Bianca Villar, Fernando Fraiha e Karen Castanho por Biônica Filmes

MELHOR LONGA METRAGEM ANIMAÇÃO
O MENINO E O MUNDO de Alê Abreu. Produção: Fernanda Carvalho e Tita Tessler por Filme de Papel

MELHOR LONGA METRAGEM INFANTIL
O MENINO E O MUNDO de Alê Abreu. Produção: Fernanda Carvalho e Tita Tessler por Filme de Papel

MELHOR CURTA-METRAGEM FICÇÃO
O CAMINHÃO DO MEU PAI de Maurício Osaki

MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO
EFEITO CASIMIRO de Clarice Saliby

MELHOR CURTA-METRAGEM ANIMAÇÃO
A PEQUENA VENDEDORA DE FÓSFORO de Kyoko Yamashita

MELHOR LONGA-METRAGEM ESTRANGEIRO
RELATOS SELVAGENS (Relatos Selvajes, ficção, Argentina) – dirigido por Damián Szifron. Distribuição: Warner Bros

VOTO POPULAR- GRANDE PRÊMIO DO CINEMA BRASILEIRO 2015

MELHOR LONGA-METRAGEM DE FICÇÃO
HOJE EU QUERO VOLTAR SOZINHO de Daniel Ribeiro. Produção: Daniel Ribeiro e Diana Almeida por Lacuna Filmes.

MELHOR LONGA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO
DOMINGUINHOS

MELHOR LONGA-METRAGEM ESTRANGEIRO
BOYHOOD – DA INFANCIA A JUVENTUDE

Comentários

comentários