Em referência às filmagens do primeiro filme nacional, ‘Vista da Baía de Guanabara‘, do italiano Alfonso Segreto, em 19 de junho de 1898, hoje é comemorado o Dia do Cinema Nacional.

Para celebrar, o TelaTela selecionou 15 filmes baseados puramente em gosto pessoal. A única regra era não repetir a escolha de quem listou suas preferências antes.

11174261_964277820273548_5000068396520765413_o

 

   Diego Olivares

1) O Pagador de Promessas

Em 1962, Anselmo Duarte desbancou Michelangelo Antonioni, Robert Bresson, Luis Buñuel e Sidney Lumet, entre outros, para se tornar o único longa brasileiro a levar a Palma de Ouro em Cannes.

 

2) O Invasor

Adaptado do livro de Marçal Aquino, o filme de Beto Brant marcou a estreia do titã Paulo Miklos no cinema, como o matador de aluguel contratado por dois mauricinhos.

3) Riscado

Em seu longa de estreia, o diretor carioca Gustavo Pizzi levou cinco prêmios em Gramado ao contar a história de uma atriz em busca de espaço, numa grande atuação de Karine Teles, corroteirista.

4) O Céu de Suely

O filme de Karim Aïnouz revelou ao mundo Hermila Guedes como a personagem título, uma mulher que decide rifar seu corpo para poder sair do lugar onde mora.

5) O Homem que Virou Suco

Manifesto brasileiro contra o capitalismo voraz e retrato das condições de milhares de nordestinos que saem da região para tentar a sorte no Sudeste. Não à toa, foi premiado quando passou pelo Festival de Moscou, em 1981, em plena Guerra Fria.

 


eutelatela

 

   Flavia Guerra

1) Macunaíma 

O anti-herói brasileiro foi eternizado por Grande Otelo no filme de Joaquim Pedro de Andrade, baseado na obra emblemática do modernismo, escrita por Mário de Andrade.

2) Linha de Passe

Depois de comandar duas produções estrangeiras, ‘Diários de Motocicleta‘ e ‘Água Negra‘, Walter Salles voltou ao Brasil para contar a história de quatro irmãos correndo atrás de seus sonhos. Sandra Corveloni, como a mãe deles, foi premiada em Cannes.

3) Vidas Secas

Nelson Pereira dos Santos deu vida ao livro de Graciliano Ramos, retratando a aridez com forte influência do cinema neorrealista. Único filme brasileiro a estar na lista de 360 fundamentais da filmografia mundial, segundo o British Film Institute.

4) Santiago

A relação com o mordomo que serviu a casa da família do documentarista João Moreira Salles é o mote do filme, que começou a ser rodado em 1992 e foi retomado em 2005, já sob outro ponto de vista.

5) Cabra Marcado Pra Morrer

A importantíssima filmografia de Eduardo Coutinho nos documentários começa aqui, em um trabalho que demorou quase vinte anos para ser concluído e conta a vida de João Pedro Teixeira, líder camponês assassinado na Paraíba.

 


 

   Clarice Cardoso

1) Abril Despedaçado

Uma história de violência e vingança entre duas famílias em pleno sertão nordestino. Com este filme, Walter Salles se afirmava de vez entre os grandes cineastas de seu tempo, com prêmio em Veneza e indicações para o Globo de Ouro e o Bafta.

2) Edifício Master

O dom de Eduardo Coutinho de voltar o olhar para o que passaria como corriqueiro transforma este num dos documentários mais tocantes do nosso cinema. Uma visita a 37 famílias de um edifício em Copacabana cuja maior riqueza são as histórias de seus moradores.

3) São Paulo, Sociedade Anônima

A obra-prima de Luís Sérgio Person capta o espírito da maior cidade do Brasil, fazendo a crônica de um cidadão médio perdido numa paisagem de concreto cujo cinza fica ainda mais acentuado pelo preto e branco das imagens.

4) Pixote – A Lei do Mais Fraco

Hector Babenco acompanha de perto e de forma dilacerante a vida de um menino de rua, cuja história do personagem se confundiria com a do próprio ator, que acabaria assassinado pela polícia em 1987.

5) O Outro Lado da Rua

O encontro dos mestres Fernanda Montenegro e Raul Cortez foi comparado ao clássico ‘Janela Indiscreta’, de Hitchcock, e saiu premiado dos festivais de Berlim, San Sebastián e Tribeca, entre outros.

Comentários

comentários